Facebook

2 de janeiro de 2018

Resoluções realistas de ano novo


Todo ano é a mesma coisa.
Fazemos listas e mais listas de tudo o que planejamos mudar e conquistar no próximo ano.
E 99,9% das vezes não conseguimos completar nem metade da lista, pode ser porque a gente simplesmente não quer aceitar ordens de um pedaço de papel (mesmo que a gente que tenha escrito) ou porque a gente na maioria das vezes faz metas nada realistas.
Achei uma lista na internet com resoluções bem práticas e decidi escolher algumas pro ano que vem, coisas bem simples que quero, e vou usar a lista como um lembrete.
Eu gosto de listas porque na correria do dia a dia é muito fácil se esquecer do que queremos.
Então é isso que quero em 2018:

  • Um hábito ruim que vou quebrar: demorar pra responder as pessoas (prometo que vou tentar com todas as minhas forças migos)
  • Uma habilidade nova que vou aprender: costurar
  • Uma pessoa na qual vou me inspirar: Iris Apfel, ícone fashion e de vitalidade
  • Uma boa ação que vou fazer: ajudar instituições de caridade
  • Um livro que vou ler: na verdade é uma série que quero ler: Sherlock Holmes de Arthur Conan Doyle
  • Uma comida nova que vou provar: comida japonesa
  • Um comportamento bom que vou adotar: guardar dinheiro

Simples né? E você? Quais atitudes simples você vai tomar este ano para que ele seja melhor?

29 de dezembro de 2017

2017 em livros


Este ano li muitos livros, principalmente no meu kindle, mas só comecei a realmente registrar todos os livros que leio nos últimos meses do ano.
Por isso não lembro de muitos livros que li, e alguns simplesmente preferi deletar da memória mesmo, risos.
Mas esses quatro livros foram os meu favoritos e acredito que são boas sugestões de leitura.

Outros Jeitos de Usar a Boca - Rupi Kaur começou fazendo sucesso ao publicar seus poemas no instagram, e seu livro de estreia logo se tornou um sucesso estrondoso.
Eu amei porque ele é brutalmente honesto sobre as dificuldades que as mulheres encaram e seus traumas, mas ela escreveu isso com um delicadeza ímpar!
Me ajudou a entender várias coisas em mim e superar um pouquinho algumas dores.

Sejamos Todos Feministas - livro inspirador de Chimamanda Ngozi Adichie que expressa um pouco de como é difícil ser mulher em uma cultura bastante opressora, e mesmo quem não vive essa realidade consegue se identificar com diversos pontos, porque cá entre nós em que cultura as mulheres tem vida fácil?
Apesar de ser um livro bacana só compre se estiver com um precinho bem bacana pois ele é bem curtinho, cerca de 60 páginas, pois é apenas a transcrição dessa palestra TED talk (para ver legendado ative o botão na parte inferior do vídeo) e se você tem kindle pode aproveitar que ele é gratuito na Amazon!

Pequeno Dicionário de Moda - você pode se perguntar o que um livro com dicas de moda dos anos 50 pode ser aproveitado nos dias de hoje, mas te digo que tem muuuitaaas coisas bacanas que o livro (escrito pelo próprio estilista Christian Dior) ensina.
Eu amei as lições valiosas para ser estilosa em todas as situações e de como comprar conscientemente, o que aliás é um tópico super atual.
Vale a pena para entender mais da moda da época e também notar similaridades com a nossa realidade atual.

Fangirl - comprei esse livro da Rainbow Rowell numa promoção da Amazon porque amei a capa sou dessas e ele ficou um tempão no meu criado mudo. Li a primeira página a tive a sensação que não ia curtir a história, até que um dia que estava à toa eu finalmente peguei pra ler e não me arrependo!
Achei incrível como a Rainbow conseguiu escrever um livro que mostra muito bem como é a vida das pessoas que sofrem de ansiedade e tem dificuldades com mudanças. E amei o universo das fanfics (que fez parte da minha adolescência) ser retratado nos livros, é apaixonante!

E se 2017 foi um ano bem complicado e ruim em diversas partes, em livros ele foi ótimo!
Existem poucas coisas que um livro não é capaz de te fazer esquecer e te transportar pra outro mundo, e além disso são uma fonte incrível de novos conhecimentos.

Leia, você não vai se arrepender ;)

28 de dezembro de 2017

2017 em charms/berloques

Tenho minha pulseira de charms/berloques desde agosto de 2016, e no ano passado só comprei dois charms*, todos os outros que agora ajudam a contar minha história foram adquiridos neste ano.
Mas não vou falar de todos eles agora, vou focar nos quatro últimos que comprei na Monte Carlo.
Desde que comprei a minha pulseira (que é da Pandora) estou comprometido em verdadeiramente marcar momentos importantes da minha vida, sejam eles de anos que já se passaram ou algo mais atual. Mas esses quatro charms definem demais o meu ano de 2017, e vou falar o por que.


CRUZ: em 2017 vivi um momento muito diferente na minha vida cristã, de muito questionamento. O que sempre foi algo bastante linear e estável foi sendo revirado milhares de vezes. Apesar de em nenhum momento ter questionado a existência de Deus e o que Ele fez e faz, vivi momentos de muito afastamento, e apesar de terem sido momentos dolorosos foi essencial pra eu começar a entender melhor o que é a vida com Deus. Estou ainda trilhando o meu caminho para voltar aos "eixos", não me considero 100% e sei que ainda tenho muito o que trabalhar, mas pra mim é importante representar minha fé assim.

PRINCESA: talvez uma das minhas maiores dificuldades este ano foi em relação ao meu amor próprio, o que aliás foi um dos motivos pra eu deixar o blog de lado um pouco. Desde criança tenho uma imagem muito distorcida do meu corpo e neste ano vivi uma luta imensa, tinha dias que eu nem conseguia me olhar no espelho do tamanho ódio que eu sentia da minha aparência. Mas também foi o ano que eu mais busquei novas referências de aceitação ao corpo, limpei meu instagram de modelos e musas fitness e substitui por mulheres reais, que se amam apesar de não terem aquele corpo "padrãozinho". Essa é uma luta que eu luto todos os dias. A princesa é um lembrete, que sou valiosa, preciosa e bonita, mesmo que não seja um certo padrão ou outro, e que sou muito mais que um corpo ou um rosto. Sou tudo o que me torna única!

UNICÓRNIO: olhando a minha pulseira esse parece ser o charm mais sem sentido de todos, quem me conhece bem sabe que eu AMO APAIXONADAMENTE unicórnios, e tenho muitas coisas com essa fofura. Mas pra mim na pulseira ele representa liberdade de fazer o que eu quero, de viver minhas paixões e de não ter vergonha do que gosto e do que me faz feliz.

BARBIE: li um tweet do Luan Lovato onde ele dizia sobre algumas memórias da infância que ele "esqueceu" por ter deixado eventos traumáticos apagarem junto também os bons, e quando li aquilo fiquei pensando se não acontecia o mesmo comigo, já que sempre senti que nunca me lembrava nada da infância. E ao fazer um trabalho de tentar lembrar da minha infância lembrei que algo muito marcante foi meu amor pela Barbie e como amava brincar com as bonecas, inventando histórias e montando looks, o que talvez mostrava o quanto eu ia amar escrever histórias e também moda quando crescesse. Então esse charm simboliza todas coisas boas da infância, coisas que também não posso nunca me esquecer.

Fico feliz de encerrar meu ano de uma forma boa, em paz com as partes boas e ruins.
Se você tem interesse em saber mais sobre esse universo de charms e berloque acesse o blog do Berloqueterapia ;)

*Charms: também conhecidos como berloques são os pingentes que ajudam a montar a pulseira.